Coletor de Água de Chuva

Coletor Caseiro Para Água De Chuva

Estocando água de chuva
Coletor de água de chuva
Viver Sustentável
Este coletor com capacidade para armazenar duzentos litros de água, pode ser uma ótima opção para aproveitamento de água das chuvas.



Descoberta:
Em visita a um amigo acabei descobrindo que ele assim como eu, também tem um pouco de "louco", "inventor", ou coisa parecida, isso aconteceu quando vi num cantinho próximo ao jardim de sua casa, algo que me chamou a atenção, curioso que sou, fui logo perguntando: O que é isso?
Muito embora estivesse na cara (pois já havia visto outros parecidos) que, era um coletor para armazenamento de água de chuva feito com tambor e algumas peças de encanamento. De qualquer forma, ele com toda a paciência do mundo (e eu sou chato quanto a saber dos detalhes) me disse que, tinha construído dois conjuntos iguais e passou a me explicar todo o funcionamento dos mesmos.



Geral:
Muito embora não seja difícil encontrar diversas postagens sobre coletores para armazenamento de água de chuva, sempre existirão detalhes ou peculiaridades individuais entre eles que, poderão auxiliar no desenvolvimento de outros equipamentos que melhor se adapte as necessidades de cada um e pensando nisso, resolvi publicar este conteúdo cujos conhecimentos compartilho agora com você.

O Equipamento:
Este coletor é bastante funcional e não apresenta nenhuma dificuldade construtiva, no entanto será necessário algum investimento financeiro e disponibilidade de tempo para produzi-lo que, com certeza será pago assim que entrar em funcionamento com as primeiras chuvas.
É óbvio e acredito que nem seria necessário dizer que, a água armazenada nestes reservatórios tem restrições de utilização devido a presença de algum grau de contaminação, seja ele proveniente de detritos existentes no telhado ou de resíduos de produtos oriundos de outros armazenamentos já feitos no tambor, por isso, essa água só deve ser usada para lavagens de pisos ou regar plantas.

Funcionamento:
Figura 1
A água depois de capitada do telhado através da calha, desce pelo condutor que a descarrega no reservatório, simples assim.
No caso desta casa, o condutor de metal já estava instalado anteriormente, então a opção foi cortá-lo (figura um) e fazer o desvio da água através de outro condutor plástico que é mais fácil de trabalhar e pode ser encontrado juntamente com as demais peças em qualquer loja da esquina.


Na figura dois é possível ver que foi montado um sistema que possibilita o desacoplamento do reservatório com a finalidade de efetuar futuras limpezas.
Existem sistemas que filtram a água antes de ser descarregada no reservatório, mas como não é o caso deste, a opção do desacoplamento resolve a questão da limpeza com um pouco mais de simplicidade, muito embora não seja a mais prática e adequada.


Na figura três se observa outro detalhe referente ao processo de limpeza, trata-se de um anel que é característico desse modelo de tambor e que propicia pelo lado de cima a total abertura do mesmo. É bom salientar que no caso deste sistema que não possui filtro na entrada, tudo que descer junto com a água irá ficar retido dentro do reservatório, então não tem como escapar da limpeza e a grande abertura do tambor, auxilia demais nessa tarefa.


Na figura quatro está o dreno por onde se escoa o excesso de água após o reservatório estar cheio, nela também está demonstrada uma preocupação que deve ser inerente a qualquer projeto semelhante, trata-se de uma tela que tem a finalidade de evitar a entrada do mosquito aedes aegypti (transmissor da dengue). O construtor aqui fez a opção de instalar duas saídas de água devido a possibilidade de ocorrer entupimento em uma delas, ainda sobraria a outra como garantia.


 Como saída, foi instalada uma torneira por onde se retira a água através de um balde ou acoplando nela, uma máquina de alta pressão. Observe que todo o conjunto está suspenso à uma altura suficiente para permitir o encaixe de um balde, no entanto se quiser obter mais pressão e desnível para drenar a água com uma mangueira apenas por gravidade, é necessário construir um suporte ou encontrar um lugar mais alto para instalar o sistema.


A construção do suporte não é obrigatória, porque é possível instalar esse sistema em lugares pré existentes assim como telhados ou plataformas, mas no caso de querer construí-lo, diversos materiais podem ser utilizados, tipo: ferro, madeira ou alvenaria, o importante é ter a consciência de que o peso relativo ao conjunto suportado ultrapassa duzentos quilos, então não se pode bobear.


Veja mais detalhes neste vídeo

Conclusões:
Nem de longe este sistema é perfeito, veja porque:
1- Falta filtro na entrada do reservatório.
2- O dreno deveria estar fora do reservatório, instalado no cano de descida com a finalidade de diminuir a entrada de água e sujeira dentro do tambor quando ele já estivesse cheio.
3- A tela anti mosquito retém a sujeira no interior do reservatório contaminando ainda mais a água.
4- A tela também pode entupir e forçar o retorno da água na calha causando transbordamento da mesma.
5- Falta altura para o equipamento, inviabilizando a retirada da água por gravidade através de uma mangueira.
De qualquer forma, a ideia é boa e o equipamento é funcional e pode auxiliar no desenvolvimento de outros sistemas parecidos, ressalvando e corrigindo as falhas aqui mencionadas.
Fiquei feliz por ter conhecido mais está forma de acumular água das chuvas, visto que em tempos de seca, qualquer reserva é de grande valia, colaborando também para uma vida mais sustentável, além da economia gerada na conta.

Texto: Ivair Puerta.

Link de inscrição no Youtube

Receba novidades, se inscreva em meu canal no Youtube: Ciência Compartilhada